Património

Povoado das Mesas do Castelinho

LocalAlmodvar / Santa Clara-a-Nova / Mesas do Castelinho
DesignaçãoPovoado das Mesas do Castelinho
CronologiaIdade do Ferro – Época islâmica
DescriçãoCom ocupação a remontar à Idade do Ferro, o povoado de Mesas do Castelinho localiza-se num ponto alto mas de fraco domínio territorial, na zona de fronteira natural entre a Serra Algarvia e o Baixo Alentejo. Entre as ruínas remanescentes, encontram-se vestígios de ocupação islâmica. O mais notório é uma pequena fortaleza datada do período omíada, com planta ovalada e rodeada por um fosso, erguida na plataforma superior do antigo povoado da Idade do Ferro. Apesar do seu estado de ruína actual, os contornos do fosso permitiram identificar uma área muralhada ocupando entre os 700 e 800 metros quadrados. Também foram identificados os embasamentos maciços de duas torres de planta rectangular, uma a Oeste, avançada em relação às muralhas com cerca de 4 x 5 metros, e outra a Norte, levemente saliente, também com cerca de 5 metros de lado. A primeira torre é enquadrada por duas paredes cujos alicerces também foram postos a decoberto, bem como uma parede de orientação Este-Oeste na qual se apoia a segunda torre. Esta fortificação enquadra-se no modelo de pequenas fortificações do Alto Algarve Oriental, como o Castelo Velho de Alcoutim, o Castelo das Relíquias ou o Castelo de Alta Mora, com torres rectangulares, embora a planta seja ovalada, mais do que rectangular como acontece nestes casos. As intervenções arqueológicas também puseram a descoberto silos na área interior e exterior da fortificação, de onde foi exumado um conjunto rico de fragmentos cerâmicos datado dos séculos X-XI. A análise de vestígios orgânicos permitiu concluir que as populações islâmicas de Mesas do Castelinho teriam na caça a principal fonte de alimentação, o que também indicia uma comunidade pouco sedentária, possivelmente com funções guerreiras. Poderia tratar-se originalmente de uma guarnição militar, na proximidade da qual se instalou ou cresceu uma comunidade rural pré-existente.
BibliografiaCláudio Torres e Santiago Macias, O legado islâmico em Portugal, Lisboa, Círculo de Leitores, 1998, p. 138; Susana Gómez Martínez, Mathieu Grangé e Gonçalo Lopes, "A cerâmica islâmica no Alentejo", Arqueologia Medieval, 12, 2012, p. 114; João Luís Cardoso, "A fauna de mamíferos da época muçulmana das Mesas do Castelinho (Almodôvar). Materiais das campanhas de 1989-1992", Arqueologia Medieval, 3, 1994, pp. 201-220; Amílcar Guerra e Carlos Fabião, "Uma fortificação omíada em Mesas do Castelinho (Almodôvar)", Arqueologia Medieval, 2, 1993, pp. 85-102; João Luís Cardoso, "Contribuição para o conhecimento da alimentação em contexto islâmico: estudo dos restos mamalógicos e malacológicos das Mesas do Castelinho (Almodôvar)", Arqueologia Medieval, 2, 1993, pp. 103-107; Amílcar Guerra e Carlos Fabião, "Mesas do Castelinho, Almodovar: uma fortificação rural islâmica do Baixo Alentejo", Mil Anos de Fortificações na Península Ibérica e no Magreb (500-1500). Actas do Simpósio Internacional sobre Castelos, Lisboa, Edições Colibri / Câmara Municipal de Palmela, 2002, pp. 171-176; Carlos Jorge Ferreira, "Escavações no povoado fortificado das Mesas do Castelinho (Almodôvar). Relatório preliminar", Vipasca. Arqueologia e História, n.º 1, 1992, pp. 19-37.
Linkshttp://igespar.pt/pt/patrimonio/pesquisa/geral/patrimonioimovel/detail/72912/
http://www.monumentos.pt/Site/APP_PagesUser/SIPA.aspx?id=964



Categoria(s)Arqueologia Urbanística e paisagem
Comentariosorigem das imagens: Cláudio Torres e Santiago Macias, O legado islâmico em Portugal, Lisboa, Círculo de Leitores, 1998, p. 138;
Images