Património

Cerro da Vila

LocalLoul / Vilamoura
DesignaçãoCerro da Vila
CronologiaAté inícios do séc. XI
DescriçãoEstação arqueológica constituída pela villa romana, porto e instalações portuárias e necrópole. Construída durante o período romano, por volta do século I d. C., a villa teve ocupação até à presença islâmica, quando se tornou num importante povoado rural ocupando todo o terreno da anterior villa. Algumas construções romanas foram reaproveitadas no período islâmico. É o caso de uma fábrica romana de produtos com base em recursos marinhos cujos compartimentos foram separados por muros em taipa e convertidos em unidades habitacionais, com características comuns às casas rurais islâmicas encontradas noutros espaços do Al-Andalus, nomeadamente o desenvolvimento da estrutura em torno de um pátio. Vários silos foram construídos na área da antiga domus, perfurando, inclusivamente, pavimentos mosaicos. As intervenções arqueológicas também identificaram um forno cerâmico a cerca de 500 metros da villa, encontrado num estado incompleto, resumido à câmara de combustão e restos de um pavimento em grelha assente em duas paredes interiores de alvenaria com abertura em arco, possibilitando a passagem do combustível e do calor. Em termos de materiais arqueológicos, foram encontrados exemplares de cerâmica islâmica, sobretudo de uso doméstico, possivelmente objectos de fabrico local, actualmente conservados no museu local e no Museu Arqueológico Municipal de Loulé. A maioria dos materiais cerâmicos é de cronologia califal (séc. IX-X), mas há artefactos de cronologia anterior (VIII-IX) e posterior, até ao início do séc. XII. Teichner e Scierl referem a evolução do Cerro da Vila de uma aglomeração portuária dedicada ao fabrico de produtos com base em recursos marinhos, no período romano, para uma "aldeia do mar no Gharb-al-Andalus, que existia baseada na sua economia piscatória e portuária, no mínimo até à época das Taifas" (2006, p. 137). No Museu Monográfico do Cerro da Vila integra a colecção de materiais provenientes das escavações realizadas na villa.
BibliografiaCláudio Torres e Santiago Macias, O legado islâmico em Portugal, Lisboa, Círculo de Leitores, 1998, p. 201; Helena Catarino, O Algarve Islâmico. Roteiro por Faro, Loulé. Silves e Tavira, Faro, Comissão de Coordenação da Região do Algarve, 2002, p. 29; Félix Teichner e Thomas Schierl, "Cerro da Vila (Algarve, Portugal). Aldeia do Mar na época islâmica", Al-Ândalus. Espaço de Mudança. Balanço de 25 anos de história e arqueologia medievais. Seminário Internacional, Mértola, 16 a 18 Maio de 2005, Mértola, Campo Arqueológico de Mértola, 2006, pp. 123-139; José Luís de Matos, "Cerâmica muçulmana do Cerro da Vila", A Cerâmica Medieval no Mediterrâneo Ocidental. Lisboa, 16-22 Novembro 1987, Mértola, Campo Arqueológico de Mértola, 1991, pp. 429-456; Helena Catarino e Isabel Inácio, "O Algarve Oriental", Arqueologia Medieval, 12, 2012, p. 160; José Luís de Matos, “O Período Islâmico no Cerro da Vila”, Noventa Séculos entre a Serra e o Mar, Lisboa, IPPAR, 1997, pp. 459-467; Helena Catarino, "Castelos e território omíada na kura de Ocsonoba", Mil Anos de Fortificações na Península Ibérica e no Magreb (500-1500). Actas do Simpósio Internacional sobre Castelos, Lisboa, Edições Colibri / Câmara Municipal de Palmela, 2002, p. 36; José Luís de Matos, “Cerro da Vila. Campanha de trabalhos de 1972”, O Arqueólogo Português, 3ª série, vol. VI, 1972, pp. 251-262; Idem, "Malgas árabes do Cerro da Vila", O Arqueólogo Português, 4ª série, vol. I, 1983, pp. 375-390; Ana Gonçalves, "Sondagens Arqueológicas. Villa Romana do Cerro da Vila (Vilamoura, Loulé"; Susana Carrisca, Loulé. O património artístico, Loulé, 2001.
Linkshttp://igespar.pt/pt/patrimonio/pesquisa/geral/patrimonioimovel/detail/69840/
http://www.monumentos.pt/Site/APP_PagesUser/SIPA.aspx?id=1326


Categoria(s)Arquitetura
Images