Património

Lápide funerária de Khalaf Ibn Qāsim

LocalBarrancos / Barrancos
OrigemNoudar
Entidade TitularMuseu Municipal de Barrancos
DesignaçãoLápide funerária de Khalaf Ibn Qāsim
Cronologia473 H / 1080 d. C.
Dimensões69 cm altura; 37 cm largura; 5 cm espessura
DescriçãoLápide funerária em xisto, de formato rectangular e fendida ao meio no sentido vertical e com os bordos partidos. O cinzelado das letras arábicas sobre grosseiras placas de xisto comprova a existência de uma comunidade arabizada na região que se dedicaria à mineração. Inscrição em cúfico simples numa incisão rude e angulosa. Tradução da inscrição: “Em nome de Deus, o Clemente, o Misericordioso. Morreu Khalaf ibn Qāsim – que Deus tenha compaixão dele e faça brilhar o seu rosto – na vigília de sexta-feira sete dias passados de Rabī' II do ano de quatro[centos] e setenta e três" (noite de 25 Setembro 1080). Esta placa seria proveniente do cemitério islâmico de Noudar. Foi recolhida em 1991, na exterior da Capela de Nossa Senhora do Desterro, durante a remoção dos entulhos das estruturas habitacionais da última fase de ocupação de Noudar.
BibliografiaCláudio Torres e Santiago Macias, O legado islâmico em Portugal, Lisboa, Círculo de Leitores, 1998, p. 175; Mário Jorge Barroca, Epigrafia Medieval Portuguesa (862-1422), vol. III, Lisboa, FCG, FCT, 2000, pp. 56-57; Artur Goulart de Melo Borges, "Lápide funerária de Khalaf Ibn Qāsim. Xisto", Portugal Islâmico. Os últimos sinais do Mediterrâneo. Catálogo de exposição, Lisboa, IPM, MNA, 1998, p. 238; Miguel Rego, “A ocupação islâmica de Noudar", Arqueología Medieval, n.º 8, 2003, p. 78; Artur Goular de Melo Borges, "Inscrições árabes de Noudar", Arqueologia Medieval, 2, 1993, pp. 215-216.
Categoria(s)Arqueologia
ComentariosOrigem da imagem: Cláudio Torres e Santiago Macias, O legado islâmico em Portugal, Lisboa, Círculo de Leitores, 1998, p. 175; Origem da imagem 2: Portugal Islâmico. Os últimos sinais do Mediterrâneo. Catálogo de exposição, Lisboa, IPM, MNA, 1998, p. 238;
Images