Património

Villa romana de Milreu

LocalFaro / Estoi / Milreu
DesignaçãoVilla romana de Milreu
CronologiaSéc. IX-X (ocupação islâmica)
DescriçãoComplexo edificado do séc. III d. C., constituído por uma casa senhorial, instalações agrícolas, um balneário e um templo. A ocupação islâmica da villa é testemunhada pela descoberta de um pequeno conjunto de fragmentos cerâmicos e epígrafes em árabe gravadas numa das colunas do templo romano. Trata-se de um conjunto de seis inscrições funerárias referentes a membros de uma mesma família. As inscrições foram gravadas a cinzel, em caracteres cúficos arcaicos distribuídos por três faixas verticais (as primeiras duas com sete linhas e a última com três). Inscrições: 1. "Deus tenha piedade do Chefe (al-'Amid?) ['Atā ?] ibn Hafs"; 2. "Deus tenha piedade de [N]asr ibn 'Atā [ibn] Hafs"; 3. "Deus tenha piedade de [...] ibn 'Atā' al-Hāmm[i]" («o da Alfama»); 4. "Senhor tenha piedade de Ahmad ibn Nasr ibn 'Atā' da Alfama"; 5. Senhor tenha piedade de 'Āmir ibn Ahmad ibn Nasr da Alfama"; 6. "Deus tenha piedade de tenha piedade de (sic bis) 'Atā ibn Ahmad". A cerâmica exumada encontra-se num estado demasiado fragmentado para ser possível apresentar uma datação segura. Contudo, a presença de materiais fabricados com pasta clara decorada e a ausência de cerâmica decorada a "verde e manganês" e em corda seca permitem supôr que o sítio de Milreu teria sido ocupado até à primeira metade do séc. X. No século XVI, a villa volta a ser ocupada e é ali construída uma casa rural.
BibliografiaCláudio Torres e Santiago Macias, O legado islâmico em Portugal, Lisboa, Círculo de Leitores, 1998, p. 187; Helena Catarino e Isabel Inácio, "O Algarve Oriental", Arqueologia Medieval, 12, 2012, p. 158; Félix Teichner e Adel Sidarus, "Termas romanas no Gharb al-Ândalus. As inscrições árabes de Milreu (Estói)", Arqueologia Medieval, 5, 1997, pp. 177-189; Félix Teichner, "Acerca da vila romana de Milreu/Estói. Continuidade da ocupação na época árabe", Arqueologia Medieval, 3, 1994, pp. 89-100; Helena Catarino, "Castelos e território omíada na kura de Ocsonoba", Mil Anos de Fortificações na Península Ibérica e no Magreb (500-1500). Actas do Simpósio Internacional sobre Castelos, Lisboa, Edições Colibri / Câmara Municipal de Palmela, 2002, p. 36; Mário Jorge Barroca, Epigrafia Medieval Portuguesa (862-1422), vol. III, Lisboa, FCG, FCT, 2000, p. 80; Félix Teichner, "Acerca da vila romana de Milreu/Estói. Continuidade da ocupação na época árabe", Arqueologia Medieval, 3, 1994, p. 91.
Linkshttp://igespar.pt/pt/patrimonio/pesquisa/geral/patrimonioimovel/detail/70255/
http://www.monumentos.pt/Site/APP_PagesUser/SIPA.aspx?id=2883



Categoria(s)Arqueologia Utensílios
ComentariosOrigem da imagem: https://www.google.pt/search?q=Villa+romana+de+Milreu&source=lnms&tbm=isch&sa=X&ved=0ahUKEwio9qPd4tbVAhXRhRoKHWDSD_wQ_AUICigB&biw=911&bih=393#imgrc=FLe-dNj3JS9WGM:
Images